Pesquisar neste blog

Carregando...

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Oficina de aeromodelismo - parte I - isopor/depron

Uma oficina ou ateliê de aeromodelismo é imprescindível para reparar, montar e construir aeromodelos satisfatoriamente.

As ferramentas, instrumentos, máquinas e aparatos necessários, e quantidade, complexidade e especialidade deles, vão depender daquilo que você se propõe fazer, do dinheiro disponível e de sua vontade.

Neste post apresentarei minha pequena experiência na organização de uma oficina, separando as ferramentas/congêneres pela aplicação/função para uma determinada proposta, então, por exemplo, podemos montar uma mini-oficina de construção de aeromodelos de isopor/depron.

Mas aqui não quero mostrar somente para que serve uma dada ferramenta em geral, mas sim seu uso ou usos específicos para cada uma dessas propostas/aplicações, é óbvio que não há receitas prontas e há muitas formas de fazer bem uma mesma coisa. Minha empreitada pretensiosa é dar uma base mínima para aqueles que vêm atrás...
Oficina de aeromodelismo do Rivaldo Voador
Oficina de aeromodelismo - minha bancada de trabalho com painel de ferramentas 

Farei uma série de posts abordando propostas e as respectivas ferramentas/instrumentos/máquinas:

2- Oficina de aeromodelismo - parte II - ferramentas comuns 

I - Ferramentas para construir em isopor/depron - O ateliê mais simples possível


1- Réguas de aço: servem como guia para cortar gabaritos, também são vitais para cortar o próprio depron; servem para medir, é claro.

Sites especializados, e eu, também, recomendo que é bom ter a disposição estes três tamanhos (30, 60 e 100 Cm) para dar flexibilidade no uso.

Peças pequenas são bem mais fáceis de cortar com uma régua pequena. A régua média servirá para cortar peças com um pouco mais de 30 Cm, muito comum na construção de aeromodelos de depron/isopor. E a grande servirá principalmente, para desenhar linhas guias no momento em que está desenhando uma planta, por exemplo.

Se tiver dinheiro só para uma, recomendo comprar a de 60 Cm, pois não é muito grande e possibilitará marcar/cortar a maioria das peças.


Réguas de aço - 30, 60 e 100 Cm

O principal uso da régua de aço é para servir de guia para cortes com estilete ou x-acto. Réguas de outros materiais (plástico ou alumínio) são facilmente cortados pela lâmina e causam acidentes sérios e não faz um corte limpo na peça.

Lembre-se que deve segurar a régua firmemente sobre a peça, alinhá-la conforme a necessidade (é melhor se estiver previamente marcada com caneta) e usar a lâmina de corte sempre perpendicular (em pé) em relação a base. Eu prefiro fazer dois cortes, um menos profundo e outro para cortar a casquinha do depron, separando a peça.
Detalhe da régua de aço sendo usada como guia para corte

Outra função importante da régua de aço é para usá-lo em medições precisas. Em uma régua comum a escala começa depois da ponta, em mais ou menos 0,5 Cm.

Na régua de aço não, a escala começa (seria o 0 Cm) na ponta da régua, como mostrado na imagem abaixo. Isto ajuda muito, pois para medir com precisão é só pôr a peça em cima da mesa, com a face a ser medida virada para você, e usar a régua apoiada na mesa para medir a peça. Note que a ponta da régua é esquadrinha para servir como um esquadro, então é só encostá-la em uma superfície plana para se obter uma medição precisão.
Detalhe de como uma régua de aço tem a ponta esquadrinhada e a ponta começa junto com a escala.


Uma régua de aço pode ser usada, também, como guia para unir duas peças que devam ser alinhadas a partir de um linha em comum, como por exemplo, para colar duas partes do estabilizador horizontal ou duas metades de uma asa, como mostrado na imagem abaixo:

Régua sendo usada sobre uma mesa para alinhar duas peças a serem coladas

A régua de aço é uma ferramenta extraordinária e pode ser usada de diversas formas, pois todos os lados são esquadrinhados e usinados e o material é bem resistente, use-as de forma imaginativa.



2- Estilete/X-acto: Para cortar depron é necessária uma lâmina bem afiada, então um estilete com lâminas sobressalentes é muito necessário para trabalhar com este material.

A X-acto ou faca de modelista é minha predileta, pois permite um controle maior no corte, permite  cortar a mão livre (formas arrendondadas), porque a lâmina é mais fina e seu formato ajuda na hora do corte.
X-acto ou estilete/faca de modelista

Estilete comum dá conta do recado, na hora de cortar depron, desde de que a ponta esteja afiada e o corte seja reto. Lembre-se sempre corte com o estilete em pé, não deite ele para um dos lados.
Estilete comum.


3- Blocos de lixas: As lixas são úteis para desbastar, esculpir, arrendondar e dar um acabamento caprichado ao depron/isopor.

Eu uso desde granulação #60 (para desbastar/esculpir/arrendondar) até #200/220 (para arrendondar/dar acabamento). Granulação mais grossa desgasta muito mais o material, lixa mais fina dá um acabamento melhor. Lembrando que quanto menor o número da lixa mais grossa é a granulação e quanto maior o número da lixa mais fina a granulação. Quanto ao tipo de lixa, eu uso o qualquer tipo disponível.

Mas o uso de folhas de lixas são potencializadas com blocos de lixas. Há um bloco de lixa vendidos em lojas de materiais de construção
Bloco de lixa convencional
Mas para materiais muito moles como depron/isopor o bloco de lixa acima não é o mais indicado, pois facilmente danifica o material e não permite um bom controle da lixação. Bom mesmo são os blocos feitos de isopor com folha de lixa coladas com cola quente, pois não danificarem o material a ser lixado e ter bom apoio, por causa da alça. Ao que me parece o isopor absorve um pouco melhor o impacto entre o bloco de lixa e o material a ser lixado, suavizando o processo, de qualquer forma um bloco de isopor ao bater no material a ser lixado, não o danifica. Se fizer os blocos perceberam bem o que estou dizendo.

É muito fácil fazer um bloco de lixa de isopor, basta pegar essa parte comum em isopor usado em embalagens.
Isopor de embalagem - usa-se a parte com estes cristas que será uma alça para o bloco de lixa
Se retira a parte mostrada na foto abaixo e colá-se a lixa usando cola quente.
Bloco de lixa de isopor
Bloco de lixa - fixa-se a lixa com cola quente - depron/isopor são materiais moles, então a lixa dura muito

Ou se pode pegar sobras de isopor, cole uma aparata na outra que servirá como alça.
Bloco de lixa feito com duas aparas de isopor colado com cola quente
Bloco de lixa feito com duas aparas de isopor colado com cola quente - outra perspectiva

Este bloco para ser usado para lixar uma asa recém cortada, laterais de fuselagem, ou qualquer outro uso, a alça facilita muito a lixação e a deixa muito precisa.

Outros bases para lixas são importantes, usando um cartão de créditos, lixa granulação #60~100 preso com fita crepe fazemos um importante desbastador para fazer um nicho para por o reforço de fibra de vidro/bambu em uma asa. É só marcar com caneta o local onde se quer abrir na asa e passar a lixa várias vezes até atingir a profundidade desejada.
Cartão, lixa e fita crepe
Lixa montada - permite abrir um nicho na asa para o reforço de fibra de vidro

Usando um pedaço de espuma, um pedaço de lixa e cola quente, dá para fazer um excelente lixador de asas e para lixar qualquer coisa com curvatura, sem danificar o material.
Lixadeira feita com espuma e um pedaço de lixa - perfeito para lixar asas
Lixadeira de espuma lixando uma asa - observe como a lixadeira se adapta bem ao formato da asa.


Um cano (diâmetro depende do diâmetro do bordo de ataque) cortado ao meio no seu comprimento e com uma lixa colada no interior do tudo é muito útil para fazer ou lixar um bordo de ataque.
Lixador tubo -  usado para arrendondar o bordo de ataque

4- Calculadora: Uma calculadora é muito útil para calcular medidas em escala a partir de uma fotografia, croqui ou planta, quando se quer dimensionar, aumentar ou diminuir. Ter uma calculadora por perto é muito útil para calcular uma série de fatores importantes na oficina, compre uma para seu ateliê.

Por exemplo, temos uma imagem em três vistas como esta:
P-51B-C Mustang III - três pontos de vistas
5- Régua transparente (comum, plástica): com a régua mede-se 8,5 Cm de envergadura (dá para medir direto da tela do computador, tente você mesmo), depois mede-se 2 Cm de corda da raiz da asa (largura do meio da asa), depois mede-se 1 Cm de corda (largura da ponta da asa). Então para calcular a envergadura de um hipotético aeromodelo com 120 Cm, é só dividir 120 (envergadura pretendida) por 8,5 (envergadura medida no desenho) que dá 14.1, este é o fator de conversão, então pegamos este número (fator de conversão) e multiplicamos por todos os valores encontrados, então encontramos os valores para este aeromodelo com 120 Cm de envergadura, raiz da asa = 28,2 Cm; ponta da asa = 14,1 Cm, etc.

Esta faz parte da técnica denominada "scratch building" ou construção do zero, que produz modelo em escala a partir do zero, com qualquer material disponível/utilizável, sem um kit comercial.  Muitas vezes o efeito escala (o aeromodelo diminui, mas as moléculas do ar não) faz o modelo pronto não voar como o avião "full scale" (o de verdade), mas muitas vezes simplesmente voa muito bem, pela ação de outros fatores, como menor carga alar, etc.

6- Pregadores de roupa e prendedores de escritório:  estes são muito úteis para colar peças que exigem pressão para serem coladas corretamente.
Pregadores usados para segurar peça que esta sendo colada.

Prendedores de papéis e pregadores para prender peças que vão ser coladas - há necessidade de pressão nestas peças.
Note que na área central da fuselagem eu usei prendedores e grampos mais fortes, para não marcar o isopor eu usei palitos de sorvetes para distribuir melhor a pressão.


7- Pistola de cola quente: é uma ferramenta muito útil tanto para colar peças de isopor/depron, como para colar velcros para segurar eletrônica dentro da fuselagem, para fixar servos em seus respectivos nichos, ou usado  para criar suas ferramentas/instrumentos.

Isto tudo porque ele adere muito bem a uma variedade de materiais, é muito rápido tanto para aplicar a cola, quanto para a cola "curar".
Cola quente - usado para colar as peças de isopor/depron do aeromodelo, servos ou velcros

O cuidado com a cola quente é que se abusar dela, ela vai agregar muito peso ao aeromodelo. Outro problema é quanto a temperatura, algumas são muito quentes e derretam o isopor.

8- Gillette ou Lâminas descartáveis para barbear:  é muito útil para cortar rebarbas/sobras de entelagem, tanto monokote ou fita adesiva. NUNCA USE estilete para esta tarefa, ele não é afiado o bastante. O cuidado com o gillette é que ela perde o fio muito rápido de deverá ser substituída sempre, mas o resultado é muito bom.
Lâmina de barbear cortando sobras na entelagem


Para montar ou construir um aeromodelo tem que se ter em mente o seguinte mantra: simétrico, alinhado e esquadrinhado.

Isto tem haver com a necessidade do aeromodelo estar corretamente montado/construído na posição das peças umas em relação com as outras para que o modelo voe sem tendências.

Simétrico diz respeito que um lado deve ser igual ao outro, o lado direito do estabilizador deve ser igual ao esquerdo, igual para as semi asas.

Alinhado diz respeito as partes devem seguir as respectivas linhas de referências, por exemplo, a deriva (parte fixa) e o leme (parte móvel) devem (via de regra) estar alinhados com a linha central longitudinal. Os componentes podem estar desalinhadas somente para atender a necessidade do projeto, por exemplo, o estabilizador horizontal pode ser posto alguns graus negativos em relação a linha de referência (incidência) da fuselagem para criar um momento de arfagem (picar/cabrar) para estabilizar o modelo.

Esquadrinhado diz respeito que alguns componentes aerodinâmicos devem estar paralelos,  em pontos estratégicos, com outros, por exemplo, a asas e o estabilizador horizontal, vistos de cima, devem estar equidistantes (distância igual dos dois lados), ou estarem a 90º entre si, por exemplo, o estabilizador vertical (deriva) deve estar a 90º do estabilizador horizontal. Também diz respeito a posição da lincagem em relação aos comandos e seus respectivos servos.

Há exceções em modelos de voo circular controlado, uma asa é menor do que outra (assimetria), em modelo de voo livre a deriva pode estar desalinhada ou o estabilizador horizontal pode ser inclinado para que o aeromodelo voe em curvas (desalinhamento e desquadrinhado).  Para modelos comuns este mantra garante um voo sem tendências e as ferramentas que seguem servem exatamente para garantir isto.

9- Fio de nylon (para pescaria): isto pode ser usado para referenciar distâncias equidistantes (igual dos dois lados) ou usados como linha de referência para alinhar componentes aerodinâmicos, por exemplo, o leme a linha longitudinal da fuselagem.

Nylon preso no meio do bico - usado para checar alinhamento do estabilizador - veja a marca branca está no profundor

Fio de nylon preso no meio do bico do modelo - observe que a marca branca indica que está desalinhado
Bordo de fuga do estabilizador - usar o fio de nylon como instrumento de referência - aqui marcado com pilot

Se vê que é fácil conferir usando o fio que a distância do bico do modelo até as pontas do estabilizador são iguais dos dois lados (ISTO É FEITO ANTES DE COLAR!), muito importante para um voo sem tendências. O mesmo processo pode ser usado para medir se a distância entre os dois lados do trem de pouso estão iguais, ou qualquer outro ponto do modelo.

O mesmo fio de nylon preso ao meio do bico do modelo estendido até a cauda, permite saber com precisão onde fica o meio do modelo em qualquer ponto da fuselagem, isto é importante, por exemplo, para se colocar o leme bem no meio da fuselagem e alinhado com a "datum line" longitudinal (linha de referência do cumprimento do modelo). Sem isto o modelo pode ter tendência de guinar


10- Esquadros: são extremamente necessários para esquadriar qualquer peça, principalmente, os planos de cauda que são peças muito sensíveis a este tipo de defeito.
Esquadros de plástico sendo usados para esquadriar os planos de cauda do Avistar
Este modelo é de balsa e comercial, mas funciona com qualquer modelo/material, o princípio é mesmo, usar o ângulo de 90º natural do esquadro como "gabarito" ou apoio dos dois lados.

Um esquadro de marceneiro pode ser usado para marcar/cortar peças quadradas (ou retangulares) perfeitamente esquadrinhadas, por exemplo, as cavernas ou a parede corta fogo.

E, também, usado para fazer linhas de referência importantes para alinhar/esquadrinhar a fuselagem de um modelo, por exemplo, em uma tábua onde vai montar uma fuselagem, traça-se uma linha longitudinal e com o esquadro traça-se linhas perpendiculares aquela linhas, exatamente onde ficaram as cavernas.
Esquadro de marceneiro - a parte mais grossa é o apoio onde se encosta  o lado já esquadrinhado do material - a escala é alinhada de forma a começar na borda do material

O modo de usar é extremamente simples, usando o encosto no lado desempenado ou esquadrinhado, já marcado com o cumprimento pretendido, usa-se a parte com a escala para marcar com lápis ou caneta o lado que se quer cortar, depois se repete o processo na parte recém cortada para fazer os outros lados.
Esquadro de marceneiro - no polegar - encosto no lado esquadrinhado do material  - marcação garante um ângulo de 90º
E, também, usado para fazer linhas de referência importantes para alinhar/esquadrinhar a fuselagem de um modelo, por exemplo, em uma tábua onde vai montar uma fuselagem, traça-se uma linha longitudinal e com o esquadro traça-se linhas perpendiculares aquela linha, exatamente onde ficarão as carvenas. 
Jigua de feselagem
Esquema para alinhar a fuselagem e suas cavernas usando linhas de referências traçadas com o esquadro de marcineiro

Dá para usar um esquadro de plástico com a mesma finalidade, desde que a peça a ser marcada/cortada não seja muito grande.
Esquema do uso de um esquadro de plástico para marcar uma peça de depron ou isopor perfeitamente esquadrinhada

Esquadro usado para marcar uma linha de 90º (valor correto) a partir do aileron - usado como referência para  a lincagem

Usando a marca feita com o esquadro como referência dá para posicionar corretamente o servo - note que encosto o esquadro de plástico 

11- Alfinetes: Materiais comuns as vezes são extremamente importantes para o modelismo, por exemplo, alfinetes são usados para prenderem peças que estejam colando, prender gabaritos ao que se pretende marcar ou cortar, ou para manter peças no lugar enquanto se alinha ou esquadrinha essas peças.
Alfinetes prendendo lateral para colar ao resto do conjunto da fuselagem
Alfinetes prendendo reforços de fibra de vidro enquanto colam na asa de isopor
Para os alfinetes segurarem melhor as peças no lugar, é necessário pô-los em ângulos oblíquos, como na imagem acima, observem estão todos "tortos" ou virados para os lados. Sem isso o alfinete pode soltar.
Gabaritos no depron para marcação e corte - presos com alfinetes

Alfinetes segurando as peças no lugar enquanto estão sendo alinhadas.

Eu uso alfinetes comuns de dois tamanhos (pequenos e grandes) e alfinetes com cabeças, todos encontrados em lojas de um e noventa e nove.

12- Elásticos: Note que eu usei elásticos de dinheiro para manter a fuselagem alinhada durante o colagem. Elásticos funcionam bem para esta tarefa porque devido a pressão exercida por eles facilitam um ajuste bem preciso e quando em repouso seguram as peças na exata posição até estarem colados.

Elásticos presos com preguinhos para com a pressão exercida ajudar a alinhar e segurar a fuselagem

13- Cortador elétrico: Para fazer as asas de isopor, é necessário usar este aparato. Ele é feito em casa e com materiais relativamente comuns. Há muitos tutorias sobre o assunto. Abaixo eu passei um link de um tutorial.
Arco cortador de isopor - três sarrafos, uma linha com mola para tensionar e um fio de corte

Meu arco de corte é parecido com este acima, mas ao invés da mola, eu uso elásticos de dinheiro para tensionar o conjunto. Ao invés dessas ripas, eu uso cabos de vassouras, tanto para a barra horizontal como para as duas barras verticais. Uso um parafuso auto atarachante de cada lado para uni-los e ganchos auto atarachante para prender o cabo onde vão os elásticos. Para aquecer o fio uso uma fonte de computador ligado no fio amarelo e preto (12v) e ajusto a temperatura do fio aproximando ou distanciando os fios, usando garras. Tentei vários fios, inclusive o caro nicromo, mas o que deu super certo foi o fio de aço para pesca .30 mm, é bem fininho, mas é muito resistente, é super barato (~R$ 5,00).
Cortador vertical de isopor
Este é o cortador vertical, é muito útil para cortar a geometria de uma semi asa ou a lateral de uma fuselagem interiça do bloco de isopor.

Aqui há um tutorial para fazer os cortadores, mas é só pesquisar "cortador de isopor caseiro" para ver bastante coisa:
http://clubedohobby.wordpress.com/2009/07/11/cortadores-de-isopor/
e este: http://rivaldovoador.blogspot.com.br/2011/07/metodo-de-cortar-asa-de-isopor-usando.html


14- Uma mesa de trabalho: usando depron provavelmente você não vai querer construir modelos muitos grandes, então um mesa pequena para pôr um folha de depron (100 cm x 60 cm) em cima e poder trabalhar nela.

Mesa com tampo de granito - não empena.
O ideal é uma bancada de madeira compensada, pois além de ser reta, dá para prender as peças com alfinetes facilmente. Para poder usar mesas que não podem ser pregadas, seja porque o material não permita (vidro, pedra) ou seja porque não possa ser danificada (sua esposa ou mãe vai lhe matar), dá para usar uma tábua desempena (eu uso uma lateral de guarda-roupas) em cima da mesa para as construções que necessitem ser pressas com alfinetes.


Espero ter ajudado, quaisquer dúvidas me mandem um email ou comentário, que se eu souber lhe responderei.



15 comentários:

  1. olar amigo esto entrando no ramo do aeromodelismo esto me divertindo muinto eu mesmo q faso os meus modelos da pra voar mais gostaria de umas dicas se vc quiser dar uma olhada esta ai o endereso http://antonioaeromodelismo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senhor Antonio, olhando seu blog não sei como lhe dar dicas, já que os seus modelos (uma zagi com rodas, um modelo com fuselagem parecida com um Tucano e um treinador com um bico peculiar, não é?)estão aparentemente bons.

      O único senão, caso você esteja enfrentando alguma dificuldade em voo, é que seus modelos não parecem ser feitos a partir de uma planta, as vezes isto pode ser um problema, já que mudanças drásticas, como por exemplo, um enflexamento exagerado tem consequências aerodinâmicas difíceis de ser compreendidos por nós novatos e fazem o modelo voar mal.

      Já para os mestres a mesma característica (por exemplo, um grande enflexamento) devidamente projetado dentro do envelope de voo faz um modelo voar muito bem, entendeu?

      Por isso, usar uma planta ou esquema já testado pode render melhores frutos...

      Mas se os seus modelos estiverem voando bem, esqueça tudo isso que eu disse, tá.

      Se tiver alguma dúvida específica, ou quiser bater papo simplesmente, me manda um email (rivaldoluiz@gmail.com).

      Ah! Eu, também, tenho os cabelos cumpridos.

      Obrigado por visitar meu blog e bons vôos.

      Excluir
  2. Olá!!! Muito bacana seu blog, cheio de informações muito uteis. Coloquei um link em nosso blog:
    http://acamg.blogspot.com

    Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ronaldinho, obrigado pela visita e pelos elogios.

      Já havia visitado o blog de vocês.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Rivaldo,
    Há muito tempo leio sobre aeromodelismo e seu blog é realmente dos melhores.Não sei qual seu projeto pessoal, mas de qualquer forma é muito desprendimento gastar seu tempo para um produto final tão bom. Obrigado. Como disse, leio muito, já fiz alguns modelos, comprei dois(um está na caixa há mais de um ano), mas de fato nunca voei. Na minha cidade faltam instrutores e colocar um modelo no ar sem um bom professor além de perigoso, pode custar caro.
    Nas fotos acima vi o gabarito de Micro Lift, pergunto se tem alguma planta para um treinador fácil e leve.
    Desde já, muito obrigado.
    Eduardo Silva - educontroller@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senhor Eduardo, obrigado pela consideração.

      Meu projeto pessoal com este blog é muito simples: Manter organizado para mim mesmo e para os amigos matérias, tutorias e dicas online sobre aeromodelismo que me ajudaria avançar no hobby que sonho desde menino.

      Que bom que o senhor lê sobre o assunto, isto está ficando raro no hobby, sem críticas a qualquer colega aeromodelista que só gosta de pôr o aeromodelo pronto (construídos, montados e trimados por outros) na pista e acelerar. Cada um escolhe um nível de aprofundamento que quer no assunto, mas não percebem que deixam de adquirir informações valiosas e gratificantes sobre o assunto.

      Já ouvi na pista que o C.G. de um aeromodelo é regulado no trim do transmissor, novamente sem críticas, ouvi isso de um valioso colega aeromodelista que com sua alegria e paixão ajuda a divulgar o hobby entre muitos. Me foge a razão pela qual ele não se informa sobre algo tão básico.

      Quanto ao voo, eu lhe aconselho um certo ímpeto, um instrutor pode ser substituído por alguém que saiba pilotar - decolar, manobrar e pousar com segurança - usando um cabo treinador entre dois transmissores, fica suficientemente fácil e seguro aprender a voar, mesmo sem um instrutor certificado. Se for escolhido um campo de voo seguro, os riscos de danos são bem atenuados, tanto ao equipamentos,quanto a pessoas.

      Invista em um simulador R/C, ajuda muito muito, o Realflight R/C G6 é um espetáculo, dá para baixar a versão demo, embora não seja adequado para treinar, porque não dá para usar o rádio transmissor. Outras versões desse simulador são boas e há outros simuladores, até tem um freeware (o FMS).

      Decolando com um colega aeromodelista as chances de "lenha" são aceitáveis. Atente ao antigo adágio aeromodelístico: "Só existem dois tipos de aeromodelos. Os que caíram e os que vão cair.".

      Quanto ao treinador fácil e leve de ser construído e pilotado, este tem sido a pedra filosofal do aeromodelismo, não está me ocorrendo nada mirabolante. Há esse tem conhecido e batido na internete (E-voo.com): http://www.e-voo.com/forum/viewtopic.php?t=8425

      É fácil de construir, simples, eletrônica básica, razoavelmente barato e de voo estável.

      Vou mandar uma cópia dessa resposta ao teu email, por favor, mantenha contato comigo para ver se poderei lhe ajudar a dar tuas asas.

      Forte abraço e boa sorte.




      Excluir
  5. Qual a diferença entre um depron e um isopor convencional?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felipe, obrigado pela visita e pelo comentário.

      A diferença entre depron e isopor (esferovite em Portugal)é a forma que o material é produzido.

      O depron (ou XPS) é feito por extrusão e o isopor (EPS) é feito por expansão, ambos são fabricados com poliestireno (um tipo de plástico), o primeiro lembra uma massa de pastel (não cresce, é espremido), a célula do material é fechado.

      O isopor lembra uma massa de bolo (cresce em uma forma, é mais leve e fica mais "fofo"), as células do material são abertas (cheio de flocos).

      No aeromodelismo usa-se depron principalmente para a empenagem (estabilizador horizontal e vertical) e fuselagem, porque ele é mais denso e se consegue fazer essas peças mais finas.

      O isopor se usa-se em asas, como fuselagem interiça escavada (isopor trabalha melhor se tiver mais volume do material).

      Estou dando exemplos, já que dependendo do projeto, dá para usar depron ou isopor em várias partes, de diversas formas.

      Espero ter esclarecido.



      Excluir
  6. cara onde pego a planta de um ugly istick ?
    querofazer um mais n tenho aplanta eu ja tenho a parte eletrica e as assas cortadas so falta a plata se tiver memanda o site

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, obrigado por visitar meu blog.

      Qual a envergadura do Ugly Stick? Dá para fazer a conversão, mas se já estiver na escala certa, é mais fácil.

      Aguardo a resposta.

      Excluir
  7. Corto depron e isopor a laser valor aproximadamente R$20,00
    Orlando tel 98326-8913

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senhor Orlando, boa proposta a tua, mas o senhor não deu detalhes suficientes.

      Por exemplo, não informou de onde o senhor é, não informou o número de DDD e parece que teu número de telefone tem 9 dígitos ao invés de oito, como é normal.

      Se o senhor quiser, me manda um email (rivaldoluiz@gmail.com) com detalhes de como faz a encomenda, como funciona o serviço, se tem site, se tem uma loja ou oficina, o número de telefone correto com DDD e outros que o senhor achar relevante.

      Eu tenho um post sobre Lojas e serviços de aeromodelismo no Rio de Janeiro, que tem uma excelente visitação semanal, posso pôr um anúncio do teu serviço direitinho e sem custo algum, com o fito de ajudar o hobby.

      Ademais, tenho interesse em contratar um serviço como o teu.

      Aguardo o contato.

      Excluir
  8. Boa noite!

    Rivaldo será que posso fazer um aero todo em poliondas e com asa em isopor de fazer laje em construção civil.
    Eu tenho intenção em fazer um modelo treinador. Inicialmente não é necessário um aero em escala. Pode ser um aero exclusivo apenas para eu treinar. E depois que eu estiver "craque" faço um Extra 300, à combustão, que é o que almejo.
    Então é possível você me enviar as medidas para eu contruir meu primeiro aero treinador.
    Pode ser com uns 90 cm de fuselagem.

    Obrigado!


    meu email: antoniomsn40@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senhor Antônio, o Evoo.com tem esse projeto de Piper Cub bem bacana: http://www.e-voo.com/tutoriais/piper/

      Tem links com tutoriais de como fazer a asa, etc.

      Estou a disposição para dúvidas.

      Excluir